• O Editor

Promotor quer limitar expressão de interpretações bíblicas para não ofender LGBTs

Promotor afirma que liberdade religiosa pode ser restringida para proteger outras liberdades.


Päivi Räsänen lendo a Bíblia (Foto: Reprodução/ADF)


Na segunda-feira (24), a parlamentar finlandesa e cristã, Päivi Räsänen, enfrentou o tribunal em Helsinque por 8 horas e meia, por causa de três casos separados, que consistem em um post nas redes sociais, um livreto de 2004 e declarações feitas durante um programa de rádio.

Segundo Evangelical Focus, Räsänen foi acusada, em todos os casos, de quebrar o Capítulo 10 do Código Penal Finlandês, que se refere a casos de “agitação étnica”, incluindo “incitação ao ódio” contra homossexuais.


Cerca de 85 pessoas se reuniram em frente ao Tribunal Distrital de Helsinque, em protesto à liberdade de expressão. No dia anterior, 120 pessoas expressaram sua solidariedade a Päivi Räsänen em frente à embaixada da Finlândia na Noruega.

Segundo a declaração do promotor, que iniciou o processo, “não é inocente dizer que a homossexualidade é um pecado. Pelo contrário, pode ser mais sério dizer que é um pecado do que um crime”.


De acordo com o promotor, condenar um ato significa condenar a pessoa. Condenar atos homossexuais significa quebrar a identidade da pessoa homossexual. Ele acrescentou que a liberdade de religião e consciência inclui o direito de expressar suas crenças, mas essa liberdade pode ser restringida para salvaguardar outras liberdades.

“Apenas citar passagens bíblicas não é crime, nem discutir interpretação bíblica. No entanto, interpretar a Bíblia de certa forma e publicar as próprias opiniões com referência a elas pode ser um crime se ofenderem um indivíduo ou um grupo de pessoas”, disse ele.

Além disso, o promotor descreveu que as convicções de Räsänen eram um exemplo típico de pensamento cristão extremo. Ele alegou que os atos homossexuais estão ligados à identidade sexual, e desaprovar estilos de vida não heteronormativos seria prejudicial para a juventude LGBT.

Em resposta, o advogado de Räsänen disse que ela nunca atacou a dignidade dos homossexuais, acrescentando que não ser capaz de criticar o movimento LGBT iria encerrar todo o debate político. Räsänen disse que as alegações do promotor eram um insulto tanto para ela quanto para homossexuais.



Fonte (Jan/22): Gospel Prime

Indicação da Matéria: O Editor

12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo