• Wilson Nomura

O poder do amor


A humanidade, em geral, infantil e imatura espiritualmente, sofre o terrível flagelo da

destruição de sua saúde, de seu meio ambiente, de seus valores morais e de suas instituições sociais.

Antes, poderosas e praticamente indestrutíveis, oligopólios mundiais da energia, da

comunicação da rede bancária e das indústrias de bens consumo, citando-se apenas alguns,

hoje carecem de recursos e clientes rareados pela pandemia, catástrofe de origem puramente humana e não sobrenatural.

Os governantes, responsáveis pela cura da auto-aniquilação planetária, ignoram as

diferenças políticas ideológicas nacionais e internacionais, comercializando globalmente as

vacinas curativas.

Foi necessário que uma dor coletiva mundial, provocasse o sentimento de fraternidade

ao mesmo patamar, diante da calamidade mortal.

É triste saber, que deveria existir uma vacina imunizante à praga do egoísmo, para que

o amor fosse um contágio global, ao invés do Corona-vírus.

Adoentado pelo egoísmo, a alma humana ainda nem consegue amar a si mesmo, o

que lhe daria poder sobre seus sentimentos ,pensamentos e comportamentos, pois o amor

tem poder de criá-los, mudá-los ou extingui-los.


Em família, no pioneiro entrosamento social, amadurece o sentimento recíproco, com

todos os percalços do convívio comum, conflitante de opiniões, gostos, idiossincrasias,

tolerância, perdões, ódio, vingança e redenção.

A próxima escala configura um desafio maior do que o amor familiar, no conhecimento

da alma “gêmea”, que só consegue amar mais a nível fisiológico, corporal, sexual, intelectual e social, do que espiritualmente.

E a maior prova do desenvolvimento do sentimento unificador, se dá não somente

pelos momentos da união do casal, mas também, nos momentos de separação, quando cada um parte para seu caminho oposto à procura da felicidade, desejando a mesma sorte para a ex alma “gêmea”. Os casos de homicídio pós separação mostram que foi preferido o uso do poder do ódio separatista, causando tal comportamento mortalmente imaturo.

O último degrau de amor sobe mais alto, podendo ficar inatingível plenamente,

quando a alma social interage profissionalmente, conhecendo um poder ferozmente

competitivo: o poder sobre o subalterno, que aliado ao poder do dinheiro anexado, seduz

loucamente, o sedento pelo sentimento substitutivo, do único alimento espiritual vital, capaz de lhe preencher o ser.

A dieta maligna desequilibra o organismo transcendental, pelo excesso de valores

materiais, provocando a carência amorosa. O consumo do poder terreno o consome,

dominando-o, à medida que cada vez mais passa a dominá-lo e possuí-lo, numa corrida sem

sentido, e fim catastrófico.

Todo empreendimento, da micro-empresa, à multinacional, se dominado pelo poder

individualista, em sua infraestrutura, procurará dominar o mercado de seu produto, de

idêntica maneira, embutindo nele, as características gananciosas e eventualmente prejudiciais ao consumidor, na prevalência do lucro abusivo e extorsivo.

O progresso da firma em questão, alijado do encargo humanitário, torna-se mais fácil,

dinâmico e veloz, conquistando, com a sorte ajudando, mais e mais posições desde o ranking local, até o mundial, onde milhares de outras empresas, sob o mesmo método agressivo e desumano, procuram a hegemonia do mercado competitivo.

Junte estas empresas, privadas ou públicas, em todos os setores, em todos os países,

sob o domínio exclusivamente do comércio das necessidades e desejos materiais, em

detrimento dos freios espirituais do respeito, compaixão e amor ao próximo, e teremos o atual cenário global, após séculos de letargia, ignorância e obscurantismo espiritual.

O amor exagerado, tachado de piegas, dá lugar ao preconceito, intolerância e ódio a

todo perfil de cidadão estranho no ninho. A luta social e legal, pela valorização falha e tardia

da cor, de sexo e da diversidade de gêneros, entre outros, tira do armário o sofrimento e

perseguição históricos dos segmentos sociais dominados pelas classes poderosas mal amadas e mal amantes.

A humanidade precisa sarar-se da pandemia isolacionista, egocêntrica, e danosa da

falta de amor, para viver plenamente em paz, união e sabedoria, sem o domínio material

autoritário sobre o semelhante, mas com domínio espiritual cooperativo e construtivo, única

via possível ao preenchimento etéreo do vazio da alma, ainda aprendiz do sentimento

universal, oriundo de Deus.


Wilson Nomura

9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo