• O Editor

Ministério da Defesa classifica como ‘ofensa grave’ fala de Barroso sobre Forças Armadas

General Paulo Sérgio Oliveira emitiu nota oficial para rebater declarações de ministro do STF.


Alan Santos | PR


Em reação às declarações do ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), o Ministério da Defesa informou na noite deste domingo (24) que “repudia qualquer ilação ou insinuação, sem provas” de que as Forças Armadas “teriam recebido suposta orientação para efetuar ações contrárias aos princípios da democracia”.

“Afirmar que as Forças Armadas foram orientadas a atacar o sistema eleitoral, ainda mais sem a apresentação de qualquer prova ou evidência de quem orientou ou como isso aconteceu, é irresponsável e constitui-se em ofensa grave a essas Instituições Nacionais Permanentes do Estado Brasileiro. Além disso, afeta a ética, a harmonia e o respeito entre as instituições”, destaca trecho da nota, assinada pelo ministro da Defesa, o general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira.

A nota ressalta, inclusive, que as Forças Armadas têm a “ampla confiança da sociedade”, destacando também que elas têm “uma história de séculos de dedicação a bem servir à Pátria e ao Povo brasileiro, quer na defesa do País, quer na contribuição para o desenvolvimento nacional e para o bem-estar dos brasileiros”.

“Assim, o prestígio das Forças Armadas não é algo momentâneo ou recente, ele advém da indissolúvel relação de confiança com o Povo brasileiro, construída junto com a própria formação do Brasil”, concluiu o Ministério da Defesa.



O que disse Barroso?

Apesar de dizer que desde a redemocratização do país, “se teve uma instituição de onde não veio notícia ruim e que teve um comportamento exemplar, foram as Forças Armadas”, o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou neste domingo que as Forças Armadas “estão sendo orientadas para atacar o processo” eleitoral brasileiro e “tentar desacreditá-lo”.

Barroso, no entanto, não citou quem seria o responsável por supostamente orientar os militares contra o processo eleitoral do país. Segundo ele, os “ataques” ao processo eleitoral são “totalmente infundados e fraudulentos”.

— Desde 1996 não tem um episódio de fraude no Brasil. Eleições totalmente limpas, seguras e auditáveis. E agora se vai pretender usar as Forças Armadas para atacar? Gentilmente convidadas a participar do processo, estão sendo orientadas para atacar o processo e tentar desacreditá-lo? — questionou o integrante do Supremo.


Fonte: Conexão Política

Indicação da matéria: O Editor

9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo