• O Editor

MEC apresenta ferramentas tecnológicas desenvolvidas com foco para recuperação das aprendizagens

Representantes do órgão participam de ciclo de palestras na feira Bett Brasil, um dos maiores encontros de educação, tecnologia e inovação da América Latina

Foto: Nayara Oliveira – MEC


No segundo dia da feira Bett Brasil 2022, que acontece até o próximo dia 13 de maio, em São Paulo (SP), representantes do Ministério da Educação (MEC) ministraram palestra com a temática “Recuperação das aprendizagens: Estratégias nacionais e tecnológicas”. A feira é considerada a maior em termos de educação, tecnologia e inovação da América Latina.

Durante a palestra, o secretário de Educação Básica do MEC, Mauro Rabelo, destacou as estratégias desenvolvidas pela Pasta com foco na recuperação e aceleração das aprendizagens no período de pós-pandemia, especialmente com o uso de tecnologias educacionais, a inclusão digital e a inovação das instituições de ensino.

Um dos programas mostrados foi o LABCRIE (Laboratório de Criatividade e Inovação para a Educação Básica). Com o projeto, cada estado do país vai poder contar com um laboratório com equipamentos tecnológicos para ser usado na formação continuada de professores e gestores de escolas públicas.

O secretário Mauro Rabelo apresentou um diagnóstico da situação da educação básica no país e falou dos impactos da pandemia na educação. Ele informou que, entre março de 2020 e fevereiro de 2021, 99,3% das escolas brasileiras suspenderam as atividades presenciais. Segundo o secretário, o MEC está empenhado em auxiliar os entes federativos na superação de desafios que o momento apresentou.

“Para isso, nos próximos dias, iremos lançar, por meio de decreto presidencial, a Política Nacional de Recuperação das Aprendizagens na Educação Básica. A medida irá seguir seis eixos temáticos com ênfase no alinhamento estratégico que irá abranger sistemas tecnológicos, atenção ao estudante e às suas famílias, além da formação de docentes e outros profissionais da educação”, informou o secretário Mauro Rabelo.

O secretário de Educação Básica do MEC também destacou projetos como o Disque 100 Brasil na Escola, uma parceria com o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, que visa o enfrentamento do abandono e da evasão escolar.

O subsecretário de Tecnologia da Informação e Comunicação do Ministério da Educação, André Castro, também apresentou ferramentas que poderão auxiliar no processo de recuperação das aprendizagens. Uma delas é o Mec Place - Ecossistema de Inovação e Soluções Educacionais Digitais.

O Ministério da Educação, por meio da Subsecretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação, irá lançar, nos próximos dias, uma plataforma integrada, em ambiente aberto e colaborativo, na qual estarão consolidadas diversas soluções e iniciativas, envolvendo tecnologia da informação para apoio às redes educacionais nos seus diferentes níveis de maturidade. “Trata-se de uma vitrine de oportunidades da educação para criar, inovar, compartilhar e disponibilizar soluções digitais para avanço da qualidade da educação do nosso país”, disse André Castro.

A iniciativa consolidará um espaço para diálogo com o mercado em torno da educação do Brasil, com múltiplas formas de oferta, inclusive abrindo espaço para startups, fortalecendo o processo de transformação digital do ensino brasileiro.

Na ocasião, o secretário de Alfabetização do MEC, Carlos Nadalim, frisou a Política Nacional de Alfabetização. “Esta medida é uma espécie de bússola que orienta o Ministério da Educação no desenho de suas ações e de programas. Por meio da iniciativa, foram criados dois importantes programas: o Conta pra Mim e o Tempo de Aprender”, afirmou.

O secretário Carlos Nadalim informou, ainda, que a Pasta desenvolve, em parceria com o Instituto Tecnológica de Aeronáutica (ITA), uma ferramenta com foco na avaliação da leitura.

Outros programas apresentados pelo titular da Secretaria de Alfabetização foi o GraphoGame, um aplicativo que ajuda os estudantes da pré-escola e dos anos iniciais do ensino fundamental a aprender a ler as primeiras letras, sílabas e palavras; e o curso on-line Alfabetização Baseada na Ciência (ABC), disponível para qualquer cidadão interessado, especialmente professores.


Fonte: MEC

Indicação da Matéria: O Editor

7 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo