• Wilson Nomura

Felicidade artificial e natural. Ao final de cada ano, costuma-se dizer que, o tempo passa...



Ao final de cada ano, costuma-se dizer que, o tempo passa cada vez mais rápido, como se as dimensões do tempo e espaço universal estivessem sendo comprimidos por algum buraco negro cósmico, encolhendo ainda mais, a existência da raça humana, já reduzidas em instantes relâmpagos, nos dias e noites mutantes durante a eternidade.

O que está em transformação é a percepção da realidade, perante o mundo circundante, tecnológico, materialista, na rapidez da luz, transporte áudio visual e informativo, de toda a gama de conhecimento humano, sem pausa para uma auto consciência, do destino final, a não ser por blackouts na rede elétrica, de telefonia e virtual da Internet, por causas naturais ou por ataques cibernéticos de hackers adolescentes inconsequentes ou de criminosos profissionais.

O escapismo rebelde prolongado é castigado por bullying e por isolamento digital e social, seja na escola, no trabalho ou nos ambientes de lazer.

A interação social e presencial, diminuída pandemicamente, é superada pela digital e virtual, em sua relevância, significado e conseqüências, em que a imagem literal, individual e sociológica, comumente falsa e superficial, sobrepõe a verdadeira e profunda, oculta sob a necessidade da felicidade, plenitude e satisfação perfeitas, cobradas para serem seguidas como exemplos máximos da vida.

Por outro lado, os fracassos trágicos são perdoados, condenados ou relativizados pelos conteúdos ideológicos políticos, religiosos, filosóficos, morais e até científicos, rebaixados de sua certeza erudita e sábia, pelo negacionismo patológico, reacionário, de efeito colateral, devido ao excesso de exposição midiática, estimulativa sensorial e intoxicante, de todo conteúdo informativo significativo ou vago, a nos bombardear 24 horas por dia, mesmo no sono ruidoso dos fones de ouvidos esquecidos ligados nos ouvidos.


A recusa da aceitação de fatos banais como a redondeza do planeta, a viagem à Lua, e eficiência da vacina do Covid, por exemplo, é tão maligna como as superstições ancestrais, sem fundamento prático, lógico ou empírico.

O radicalismo opinativo nas bases do conhecimento humano reflete a intolerância generalizada, decorrente contraditoriamente, da aldeia global de intercâmbio noticioso, instantâneo e ininterrupto, em que deveria reduzir o mundo, em uma pequena aldeia de costumes, pensamentos e crenças homogêneos e padronizados, pela transmissão cultural e hereditária, contrariando Herbert Marshall McLuhan.

A poluição informativa de entulho obriga a assepsia exagerada e ilimitada, criando ilhas individuais do oásis ideal, fantasioso, isolado das tempestades da areia suja ideológica.

O cidadão humano nunca esteve tão isolado, não presencialmente, mas espiritualmente, em que é necessário guardar a própria opinião sobre qualquer assunto, com a certeza de contradizer uma minoria discordante, seja um único amigo, a família, um clube social, a empresa, ou qualquer outro grupo social.

O enriquecimento social, cultural, e sapio, ficou empobrecido pelo extremismo generalizado, aprofundado na análise minuciosa até os mínimos e supérfluos detalhes, significativos em sua exibição e em sua propagação amigável ou à força de argumentos puramente emocionais e ilógicos, não raro, demonstrados pelas armas letais.

Em pleno ofuscamento do raio laser, em todas as direções e distâncias planetárias, o mundo vive uma Idade das Trevas tecnológica, com apagões de consciência, inteligência e humanidade, retroagindo a evolução terrestre a dezenas ou centenas de progresso civilizatório, talvez, preparatório da próxima geração da raça dominante, inumana e mais desumana que o próprio criador: a do robot , criado à sua semelhança ou não, humanizando mais e mais no comportamento mecânico, mas frio e impessoal no coração cibernético que não possui fisicamente, somente em simulacro de um aplicativo digital.

Atropelado pela velocidade das rodas da própria ciência, o homem do século XXI percebeu que se enganara na criação da fonte da felicidade artificial, única invenção que não pode ser copiada da natural, só inspirada.



Wilson Nomura


12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo